quarta-feira, 29 de dezembro de 2010


- Não é sobre a falta.
- É sobre o que então?
- É todo esse excesso de tempo sendo gasto percebendo como perdemos vida no passado. Perdemos vida ao não tentar algo novo, perdemos vida com o nosso conformismo barato, nos vestindo de hipocrisias alheias.
- E o que você queria que tivesse-mos feito?
- Qualquer coisa.
 (silêncio)
Qualquer coisas que não se resumisse a esperar por milagres que sabia-mos o tempo todo que nunca viriam, por esperar que magicamente toda a melancolia se afastasse e a felicidade finalmente acertasse nosso endereço. Ao invés de tentar qualquer coisa, não fizemos nada. Absolutamente nada, apenas continuamos a cultivar dias e dias que repetiram em nosso calendário como ervas daninhas em um jardim abandonado.
- E quem abandonou?
- Nós. Nós nos abandonamos, optamos por deixar largada toda a possibilidade de um final menos cruel. Desistimos aos poucos, diariamente de nós mesmos. Do que era-mos juntos. 
- Então nós merecemos este fim?
- Não. Nem a pior pessoa do mundo mereceria este fim.
- Não?
- Não. Por isso eu digo que este não será o nosso fim. Essa nossa história será apenas mais um capítulo de nossos livros pessoais que a partir de hoje se escreverão individualmente. E para iniciar-mos um novo capítulo, basta que viremos a página.

3 comentários:

Winny Trindade disse...

Tá, eu realmente gostei disso. Muito mesmo!!

Nem tenho mais o que dizer.

Abraço meu, amiguinha.

P.S.: Talvez seja mais fácil falar do que fazer.

R;* disse...

O começo desse dialogo me soa bastante familiar. É uma pena que nem sempre os finais felizes juntos acontecem como queremos!
Beeijo ;*

Corrinha Rodrigues disse...

Lindíssimo.