sexta-feira, 11 de maio de 2012

A sua falta vai me incomodar ♫




            Não caberá a nós o soneto de separação. Assim como nunca nos coube o soneto do amor total. Vai ser assim: eu aqui e você aí. Tão distantes quanto o tamanho da distância. Aquela que sempre existiu, mas que fizemos questão de ignorar. Nossos planos irão se empoeirar em uma gaveta qualquer. E o que restará deles serão folhas amareladas com o tempo e manchadas de lagrimas. Não perderei meu tempo tentando te esquecer, vou pensar em você todos os dias sim. Tentarei colocar você no espaço das lembranças boas, talvez assim doa menos. Lembrarei de você toda vez que for assistir a um filme ou jogar videogame, toda vez que eu tomar café ou sorvete de pistache, toda vez que eu caminhar e sempre antes de dormir. Creio que não caiba dizer aqui dos meus sinceros sentimentos por você e nem dos meus votos de felicidade. Isso você já sabe. E o que você não sabe já nem é importante dizer. Agora tenho que ir. Vou pintar aquele quadro que eu estava adiando. E você, trate de arrumar tempo para a sua música. 

Nenhum comentário: